COIMBRA: Contabilidade dos Projetos de Formação-Ação

No âmbito da execução de projetos formativos destinados à qualificação das empresas e dos seus trabalhadores, designadamente os baseados na metodologia de formação-ação, inseridos no Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME do Regulamento Específico do Domínio da Competitividade e Internacionalização (RECI), vai decorrer no próximo dia 10 de Julho, em Coimbra, uma sessão informativa e de reflexão sobre “Contabilidade dos Projetos de Formação-Ação“.

 

Destinatários

Diretores, técnicos coordenadores de projetos, responsáveis financeiros e técnicos de contas de entidades associativas promotoras de projetos de formação-ação.

Objetivos

Adquirir conhecimentos acerca do:

  •  Processo técnico-contabilístico associado a este programa;
  • Reconhecimento contabilístico do incentivo nas entidades promotoras e beneficiárias (PMEs);
  • Processo de faturação dos custos incorridos pela entidade Promotora às PMEs participantes sujeita ou não sujeita a IVA.
 

Cronograma e Local

10 de julho de 2019, das 18:00 horas às 22:00 horas, AEDL Centro (Rua Mário Pais nº7, 3000-268 Coimbra)

 

 

INSCRIÇÃO

Responsabilidade Legal dos Diretores Técnicos em IPSS

Formação em parceria com a Studeo20 – Centro de Estudos, Explicações e Formação.

 

Destinatários

Diretores, contabilistas, administrativos e outros colaboradores das IPSS’s

Objetivos

Adquirir conhecimentos acerca das funções, responsabilidades e o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Reconhecer o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Adquirir competências para o correto cumprimento dos direitos e obrigações face a ações inspetivas e fiscalizadoras da Segurança Social.

Conteúdos

1. Enquadramento legal da função de Diretor Técnico;
2. Funções e Responsabilidades;
3. O papel do Diretor Técnico;
4. O Diretor Técnico nas várias Respostas Sociais;
5. Ações Inspetivas da Segurança Social
a. Procedimentos

Cronograma

19 de julho de 2019, das 9:30 horas às 13:00 horas e das 14:00 horas às 17:30 horas

Responsabilidade Legal dos Diretores Técnicos em IPSS

Destinatários

Diretores, contabilistas, administrativos e outros colaboradores das IPSS’s

Objetivos

Adquirir conhecimentos acerca das funções, responsabilidades e o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Reconhecer o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Adquirir competências para o correto cumprimento dos direitos e obrigações face a ações inspetivas e fiscalizadoras da Segurança Social.

Conteúdos

1. Enquadramento legal da função de Diretor Técnico;
2. Funções e Responsabilidades;
3. O papel do Diretor Técnico;
4. O Diretor Técnico nas várias Respostas Sociais;
5. Ações Inspetivas da Segurança Social
a. Procedimentos

Cronograma

24 de julho de 2019, das 9:30 horas às 13:00 horas e das 14:00 horas às 17:30 horas

Responsabilidade Legal dos Diretores Técnicos em IPSS

Destinatários

Diretores, contabilistas, administrativos e outros colaboradores das IPSS’s

Objetivos

Adquirir conhecimentos acerca das funções, responsabilidades e o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Reconhecer o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Adquirir competências para o correto cumprimento dos direitos e obrigações face a ações inspetivas e fiscalizadoras da Segurança Social.

Conteúdos

1. Enquadramento legal da função de Diretor Técnico;
2. Funções e Responsabilidades;
3. O papel do Diretor Técnico;
4. O Diretor Técnico nas várias Respostas Sociais;
5. Ações Inspetivas da Segurança Social
a. Procedimentos

Cronograma

16 de julho de 2019, das 9:30 horas às 13:00 horas e das 14:00 horas às 17:30 horas

Digital Storytelling

Tens a ideia, o plano, a estratégia, as imagens, os textos…e agora como vais contar a história? Como vais fazer a diferença e conseguires os teus 5m de atenção nas redes sociais?

Este é um workshop em parceria com a Studeo20 – Centro de Estudos, Explicações e Formação, dinamizado pela Drª Isabel Pinheiro.

 

 

Destinatários

Todos aqueles que necessitem de captar a atenção do público, em apresentações, reuniões e outros contextos do âmbito profissional

Objetivos

Aprender a criar, estruturar e desenvolver narrativas – storytelling, como uma ferramenta de comunicação.

Conteúdos

  1. O storytelling como ferramenta de comunicação
    1.1 Princípios do marketing narrativo
    1.2. Os vários tipos de histórias
    1.3 Os ingredientes de uma história
  1. Economia da atenção
    2.1 A relação com o recetor da mensagem
    2.2 A estrutura narrativa
    2.3 A estrutura clássica
  1. Formas de utilização do Storytelling
    3.1 Como ele se aplica no dia-a-dia
    3.2 Características de uma boa história
  2. Storytelling na prática
    4.1 Criando a sua 1ª história
    4.2 Elementos da história

Cronograma

28 de setembro de 2019, das 10:00h às 13:00h e das 14:00h às 18:00h

Regime Jurídico do Maior Acompanhado

Destinatários

Técnicos que atuem no âmbito do apoio ao idoso, deficiência e outras incapacidades (profissionais do Serviço Social, Psicologia, Advocacia, Professores e outros interventores/colaboradores sociais), Licenciados na área das Ciências sociais e Humanas.

Objetivos

Analisar o novo regime jurídico do maior acompanhado, aprovado pela Lei nº49/2018 de 14 de Agosto;
Conhecer as implicações e fundamentos subjacentes à alteração de paradigma face aos institutos da interdição e inabilitação;
Reconhecer a necessidade de assegurar o maior grau de autonomia possível à pessoa carecida de apoio, promovendo-se a sua capacidade e manifestação de vontade, por meio de uma medida adequada alcançada com o auxílio do relatório social;
Refletir sobre a evolução que resultou no novo diploma, numa perspetiva social e jurídica.

Conteúdos

  1. O estatuto jurídico do maior acompanhado à luz da Constituição portuguesa
  2. Pressupostos, Âmbito e Conteúdo da Lei n.º 49/2018, de 14 de Agosto
  3. Novas abordagens na promoção dos direitos das pessoas com capacidade diminuída no novo regime:
    • Estatuto do acompanhante
      • Questões processuais da medida de acompanhamento (quem pode requerer medidas e em que circunstâncias)
      • O acompanhante
    • Relevância da vontade antecipadamente expressa
  4. Novo modelo de prova pericial
  5. O Novo Regime Jurídico do Maior Acompanhado – Algumas Questões Práticas

Cronograma

27 de setembro de 2019, das 10:00 horas às 13:00 horas e das 14:00 horas às 18:00 horas

Regime Jurídico do Maior Acompanhado

Destinatários

Técnicos que atuem no âmbito do apoio ao idoso, deficiência e outras incapacidades (profissionais do Serviço Social, Psicologia, Advocacia, Professores e outros interventores/colaboradores sociais), Licenciados na área das Ciências sociais e Humanas.

Objetivos

Analisar o novo regime jurídico do maior acompanhado, aprovado pela Lei nº49/2018 de 14 de Agosto;
Conhecer as implicações e fundamentos subjacentes à alteração de paradigma face aos institutos da interdição e inabilitação;
Reconhecer a necessidade de assegurar o maior grau de autonomia possível à pessoa carecida de apoio, promovendo-se a sua capacidade e manifestação de vontade, por meio de uma medida adequada alcançada com o auxílio do relatório social;
Refletir sobre a evolução que resultou no novo diploma, numa perspetiva social e jurídica.

Conteúdos

  1. O estatuto jurídico do maior acompanhado à luz da Constituição portuguesa
  2. Pressupostos, Âmbito e Conteúdo da Lei n.º 49/2018, de 14 de Agosto
  3. Novas abordagens na promoção dos direitos das pessoas com capacidade diminuída no novo regime:
    • Estatuto do acompanhante
      • Questões processuais da medida de acompanhamento (quem pode requerer medidas e em que circunstâncias)
      • O acompanhante
    • Relevância da vontade antecipadamente expressa
  4. Novo modelo de prova pericial
  5. O Novo Regime Jurídico do Maior Acompanhado – Algumas Questões Práticas

Cronograma

28 de junho de 2019, das 10:00 horas às 13:00 horas e das 14:00 horas às 18:00 horas

Aprovada proposta que aumenta para 40 o número mínimo de horas de formação anual a que o trabalhador tem direito

O grupo de trabalho parlamentar de alterações à lei laboral aprovou a proposta de aumento das atuais 35 para 40 horas de horas de formação anual que o trabalhador tem direito. A mesma proposta elimina ainda a norma segundo a qual o trabalhador que não utilize as horas de formação previstas na lei, no prazo de três anos, perca o direito às mesmas. A votação final global do diploma final deverá ocorrer ainda antes do final do mês de julho.

Promover a formação contínua das pessoas é uma condição cada vez mais importante para a estratégia de desenvolvimento das empresas e para o aumento da sua competitividade. Os serviços prestados pela AEDL na área da formação são desenvolvidos quer para empresas, quer a título individual, no sentido de promover a aquisição/aperfeiçoamento de competências e na actualização e reconversão dos profissionais.

A AEDL pode ajudar a fazer o plano de formação para a sua empresa, contacte os nossos serviços para mais informações.

SABER MAIS

Responsabilidade Legal dos Diretores Técnicos em IPSS

Destinatários

Diretores, contabilistas, administrativos e outros colaboradores das IPSS’s

Objetivos

Adquirir conhecimentos acerca das funções, responsabilidades e o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Reconhecer o papel do diretor técnico nas Instituições Particulares de Solidariedade Social;
Adquirir competências para o correto cumprimento dos direitos e obrigações face a ações inspetivas e fiscalizadoras da Segurança Social.

Conteúdos

1. Enquadramento legal da função de Diretor Técnico;
2. Funções e Responsabilidades;
3. O papel do Diretor Técnico;
4. O Diretor Técnico nas várias Respostas Sociais;
5. Ações Inspetivas da Segurança Social
a. Procedimentos

Cronograma

18 de julho de 2019, das 9:30 horas às 13:00 horas e das 14:00 horas às 17:30 horas

2018 – Capacitação para a inclusão – Alentejo

Capacitação para a inclusão

Este projeto enquadra-se no Eixo III – Promover a inclusão social e combater a pobreza e a discriminação e visa promover a capacitação de grupos potencialmente vulneráveis, tendo em vista:
  • O desenvolvimento de competências de natureza pessoal e social, dado que se assumem como críticas para a inserção ou reinserção social e profissional;
  • A aquisição de competências básicas de leitura, escrita, cálculo e uso de TIC, por parte dos adultos, que lhes permitam a integração num curso para a obtenção de dupla certificação ou em processos de reconhecimento, validação e certificação de competências (RVCC);
  • O aumento das competências sociais e profissionais, facilitando o seu acesso ao mercado de trabalho, potenciando a sua empregabilidade e reduzindo a vulnerabilidade económica.

Designação do projeto: Capacitação para a inclusão

Código do projeto: POISE-03-4230-FSE-000740

Objetivo principal: Promover a inclusão social e combater a pobreza e a discriminação

Região de Intervenção: Alentejo

Entidade beneficiária: AEDL – Actividades Educativas, Lda.

Data de aprovação: 12-03-2018

Data de início: 02-09-2018

Data de conclusão: 30-04-2019

Custo total elegível:  146 250,00 €

Apoio financeiro da União Europeia:  124 312,50€

Apoio financeiro público nacional/regional:  21 937,50 €

O desenvolvimento de competências de natureza pessoal e social, dado que se assumem como críticas para a inserção ou reinserção social e profissional.

A aquisição de competências básicas de leitura, escrita, cálculo e uso de TIC, por parte dos adultos, que lhes permitam a integração num curso para a obtenção de dupla certificação ou em processos de reconhecimento, validação e certificação de competências (RVCC).

O aumento das competências sociais e profissionais, facilitando o seu acesso ao mercado de trabalho, potenciando a sua empregabilidade e reduzindo a vulnerabilidade económica.

Realização de percursos de formação com a duração de 270 horas cada, em áreas de educação e formação identificadas no diagnóstico de necessidades.

75 participantes de grupos desfavorecidos com uma taxa de certificação de 92%.

brevemente disponível…